Sem categoria

IMAGENS SATELITAIS ABERTAS E GEOINT

Características dos principais satélites com sensores de média/alta resoluções com imagens disponíveis gratuitamente

NR ORDSATELITEPERIODO ATIVOSENSORRERTRRNBCOR REAL
01LANDSAT 51984-2011MULTI30m16 dias8 bits073-2-1
02SPOT 1/ 2/ 31986-1996MULTI20m26 dias8 bits032-1-3
 SPOT 1/ 2/ 31986-1996PAN10m26 dias6 bits01
03SPOT 41998-2013MULTI20m26 dias8 bits042-1-3
 SPOT 41998-2013PAN10m26 dias8 bits01
04LANDSAT 71999-hojeINFRA30m16 dias8 bits083-2-1
 LANDSAT 71999-hojePAN15m16 dias8 bits01
05SPOT 52002-2015MUNTI10m26 dias8 bits042-13
 SPOT 52002-2015PAN05m26 dias8 bits01
 SPOT 52002-2015Super Mode2,5m26 dias8 bits01
06LANDSAT 82013-hojeMULTI30m16 dias12 bits084-3-2
 LANDSAT 82013-hojePAN15m16 dias12 bits01
07SENTINEL 2A2015-hojeMULTI10m5 dias12 bits134-3-2
08SENTINEL 2B2017-hojeMULTI10m5 dias12 bits134-3-2
09 CBERS 4A2020-hojeMUX16,5m31 dias8 bits043-2-1
 CBERS 4A2020-hojeWPM/MULTI8m31 dias10 bits043-2-1
 CBERS 4A2020-hojeWPM/PAN2m31 dias10 bits01
10PLANETLABS2016-hojeMULTI5m30 diasMosaico  – —
RERESOLUÇÃO ESPACIAL
RTRESOLUÇÃO TEMPORAL
RRRESOLUÇÃO RADIOMÉTRICA
NBNÚMERO DE BANDAS

Autor: Evenuel Viana Veloza

Padrão
Sem categoria

O MUNDO DO SIG

Por: Revista digital GISGeography

Camadas GIS

O que é SIG?

Os Sistemas de Informações Geográficas (SIG) armazenam, analisam e visualizam dados de posições geográficas na superfície da Terra. SIG é uma ferramenta baseada em computador que examina relações espaciais, padrões e tendências. Ao conectar a geografia com os dados, o SIG entende melhor os dados usando um contexto geográfico.

As 4 ideias principais de Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são:

  • Crie dados geográficos.
  • Gerencie em um banco de dados.
  • Analise e encontre padrões.
  • Visualize-o em um mapa.

Visto que visualizar e analisar dados em mapas afeta nossa compreensão dos dados, podemos tomar melhores decisões usando GIS. Isso nos ajuda a entender o que é onde . A análise se torna simples. As respostas ficam claras.Porque você não entende totalmente seus dados até ver como eles se relacionam com outras coisas em um contexto geográfico.

Todos os dias, os SIG comandam milhões de decisões em todo o mundo. Isso causa um grande impacto em nossa vida e você pode nem perceber. Por exemplo, usamos SIG para:

  • Identificar novos locais de loja
  • Relatório de quedas de energia
  • Analisando padrões de crime
  • Roteamento na navegação automotiva
  • Previsão e previsão do tempo

Visualize os dados dando vida às planilhas

Acho que você vai concordar:

É MUITO difícil visualizar coordenadas de latitudes e longitudes em uma planilha.

CidadeLatitudeLongitude
Seattle47.5°-122.3°
Nova york40.7-73.9°
Miami25.8°-80.2°
Os anjos33.9°-118.2°

Mas quando você adiciona essas posições em um mapa, é como mágica para o leitor.

Mapa de localizações

Isso porque os mapas tornam as informações geográficas mais fáceis de entender.

Quando você tem um contexto geográfico, não vê apenas onde eles estão no mapa. Mas você pode:

  • Calcule a que distância os pontos estão uns dos outros
  • Verifique se os pontos estão agrupados para padrões e tendências
  • Encontre a rota ideal entre as cidades

Componentes de Sistemas de Informação Geográfica

Os 3 componentes principais dos Sistemas de Informação Geográfica são:

1. DADOS: o GIS armazena dados de localização como camadas temáticas . Cada conjunto de dados possui uma tabela de atributos que armazena informações sobre o recurso. Os dois principais tipos de dados GIS são raster e vetoriais :

RASTER

Pixels Raster

Raster se parecem com grades porque armazenam dados em linhas e colunas. Eles podem ser discretos ou contínuos. Por exemplo, frequentemente representamos a cobertura do solo, dados de temperatura e imagens como dados raster.

VETOR

Editando Trace

Vetores são pontos, linhas e polígonos com vértices. Por exemplo, hidrantes, contornos e limites administrativos são frequentemente vetores.

2. HARDWARE: O hardware executa o software GIS. Pode ser qualquer coisa, desde servidores poderosos, telefones celulares ou uma estação de trabalho GIS pessoal . A CPU é o seu carro-chefe e o processamento de dados é o nome do jogo. Monitores duplos, armazenamento extra e placas de processamento gráfico nítidas também são indispensáveis ​​no GIS.

3. SOFTWARE: ArcGIS e QGIS são os líderes em software GIS. O software GIS é especializado em análise espacial usando matemática em mapas. Ele combina geografia com tecnologia moderna para medir, quantificar e compreender nosso mundo.

Impulsionar decisões com análise espacial

Nunca antes tivemos problemas mais urgentes com a necessidade de uma perspectiva geoespacial. Por exemplo, mudanças climáticas , desastres naturais e população são todos de natureza geográfica. Essas questões globais precisam de conhecimento baseado em localização que só pode vir de um GIS.

A maioria das pessoas pensa que o GIS trata apenas de “fazer mapas”. Mas aproveitamos o poder do GIS por causa dos insights da análise espacial . Usamos análise espacial por meio da matemática em mapas. A análise espacial é difícil com mapas de papel, por isso precisamos do GIS. Aqui estão alguns exemplos de análise espacial:

Amortecedor
IDW Power 2

AMORTECEDOR:

A ferramenta de buffer gera um polígono ao redor dos recursos a uma distância definida. Ao criar buffers, você pode localizar os recursos circundantes que estão dentro dos buffers.

PONTO DE ACESSO:

Os pontos de acesso destacam as áreas que possuem grupos de pontos. Já os pontos frios possuem uma pequena densidade de pontos.

Construa sua carreira em geomática

80% das necessidades de informação do governo local estão relacionadas à localização geográfica.

Percentual de GIS 80% 20%

Essa citação significa que se você pegar 80% de todos os dados do governo, 80% tem um contexto geográfico. Esta citação se originou de Robert Williams em seu artigo “Vendendo um sistema de informações geográficas para decisões governamentais.”

Mas recentemente, os pesquisadores cortaram esse percentual para 60% em 2012. De qualquer maneira, a geografia é um grande componente dos dados.

Desde o planejamento de um oleoduto até a navegação de navios, os problemas espaciais precisam de pensadores espaciais. É por isso que os Sistemas de Informações Geográficas se expandiram para inúmeras disciplinas. Carreiras em GIS estão crescendo para:

  • CARTÓGRAFOS criam mapas. Na verdade, a origem de “cartógrafo” vem de charta que significa “tablete ou folha de papel” e gráfico “desenhar”
  • DATABASE MANAGERS armazenam e extraem informações de conjuntos estruturados em bancos de dados espaciais .
  • PROGRAMADORES escrevem códigos e automatizam processos GIS redundantes. Por exemplo, as linguagens de programação GIS incluem Python, SQL, C ++, Visual Basic e JavaScript.
  • OS ESPECIALISTAS EM SENSORAMENTO REMOTO usam software aéreo, imagens de satélite e sensoriamento remoto .
  • ANALISTAS ESPACIAIS usam ferramentas de geoprocessamento para manipular, extrair, localizar e analisar dados geográficos.
  • PESQUISADORES DE TERRA medem as coordenadas tridimensionais na terra.

GIS tudo começou mapeando cólera

Mapa de cólera

Em 1854, a cólera atingiu a cidade de Londres, Inglaterra. Ninguém sabia onde a doença começou. Então, o médico britânico John Snow começou a mapear o surto. Não foi apenas a doença. Mas ele também mapeou estradas, limites de propriedades e linhas de água.

Quando ele adicionou esses recursos a um mapa, algo interessante aconteceu. Ele percebeu que os casos de cólera ocorriam em apenas uma linha de água. Este foi um avanço que conectou a geografia à segurança da saúde pública. Mas não foi apenas o início da análise espacial . Também marcou o início da epidemiologia, o estudo da propagação de doenças.

Em 1968, um homem chamado Roger Tomlinson começou a juntar a computação moderna com mapas. Na verdade, ele cunhou pela primeira vez o termo “GIS” (em inglês) em seu artigo “ Um Sistema de Informação Geográfica para Planejamento Regional “. Neste momento, o SIG se tornou verdadeiramente uma ferramenta baseada em computador para armazenar dados de mapas. Em 2014, Roger Tomlinson faleceu posteriormente e será sempre lembrado como o “pai do SIG”.

Roger Tomlinson

Grandes descobertas e melhorias envolvem invariavelmente a cooperação de muitas mentes. Posso receber o crédito por ter desbravado a trilha do GIS. Mas quando olho para o desenvolvimento subsequente, sinto que o crédito é devido a outros e não apenas a mim.
-Roger Tomlinson

Usos e aplicativos de GIS

Os Sistemas de Informações Geográficas estão repletos de exemplos de casos de uso. Por exemplo, encontramos mais de 1000 usos e aplicativos GIS . Aqui estão alguns exemplos abaixo.

MEIO AMBIENTE: De longe, os usuários mais pesados ​​são para o meio ambiente. Por exemplo, os conservacionistas usam GIS para mudanças climáticas, estudos de água subterrânea e avaliações de impacto.

Analista GIS

MILITAR E DEFESA: Militares são grandes usuários de GIS. Eles o usam para inteligência de localização, gerenciamento de logística e satélites espiões .

AGRICULTURA: Os agricultores o utilizam para a agricultura de precisão, mapeamento do solo e produtividade agrícola.

FLORESTA: Os silvicultores gerenciam a madeira, rastreiam o desmatamento e fazem o inventário dos povoamentos florestais com GIS.

NEGÓCIO: Mais no lado comercial das coisas, o GIS é para seleção de local , perfil de consumidor e prospecção de cliente.

BENS IMOBILIÁRIOS: Exemplos em bens imóveis incluem análise de mercado, avaliações de casas e zoneamento.

SEGURANÇA PÚBLICA: GIS mostra a propagação de doenças , resposta a desastres e saúde pública.

O que o GIS pode fazer por você?

Os Sistemas de Informações Geográficas respondem melhor a perguntas sobre localização, padrões e tendências. Por exemplo:

rota do telefone

1. Onde as características do terreno são encontradas? Se você precisar encontrar o posto de gasolina mais próximo, o GIS pode mostrar o caminho. O GIS pode encontrar a localização ideal conectando volumes de tráfego, informações de zoneamento e dados demográficos.

2. Que padrões geográficos existem? Na conservação, queremos conhecer o habitat animal usando coleiras GPS e cobertura do solo . Conhecendo a localização dos animais, podemos correlacionar os tipos de terreno preferidos com as localizações GPS. No final, temos um enorme banco de dados com todos os tipos de espécies de animais.

3. Que mudanças ocorreram em um determinado período de tempo? O tempo é o elemento que falta para estudar a mudança. Por exemplo, entendemos a mudança por meio de sensoriamento remoto do ambiente . Além disso, podemos prever melhor os desastres descobrindo mudanças ao longo do tempo.

4. Quais são as implicações espaciais? Se uma empresa deseja construir um novo projeto, o GIS se destaca no armazenamento de dados ambientais. A maioria das avaliações ambientais usa GIS para entender o impacto dos projetos na paisagem.

Nuvem de pontos de fotogrametria

O que é Ciência da Informação Geográfica (GISc)?

Ciência GIS
Enquanto os Sistemas de Informação Geográfica respondem “o quê” e “onde”, a Ciência da Informação Geográfica (GIScience) se preocupa com o “como” e seu desenvolvimento.

Como o GIS crescerá nos próximos anos? Esta é uma questão que a Ciência da Informação Geográfica entende melhor.

A Ciência da Informação Geográfica fornece todos os blocos de construção para Sistemas de Informação Geográfica. Ele se baseia na ciência da computação, matemática, geografia, estatística, cartografia e geodésia .

GIScience incorpora o conhecimento dessas áreas em Sistemas de Informação Geográfica.

  • Os Sistemas de Informação Geográfica conectam o quê com o onde .
  • A Ciência da Informação Geográfica descobre como .

Resumo: O que são Sistemas de Informação Geográfica?

Você pode se perguntar: os geógrafos não respondem a essas perguntas há séculos? Sim. Mas os geógrafos podem responder a essas perguntas muito melhor com os Sistemas de Informações Geográficas.

infográfico de sistemas de informação geográfica - o que é gis

Quando começamos a registrar os inventários em mapas de papel, foi um processo bastante tedioso. Mas o que realmente precisamos? Precisávamos de um GIS para registrar e armazenar observações. Além disso, precisávamos de uma tabela para armazenar atributos sobre os dados.

Qual é o resultado final? Os sistemas de informações geográficas (GIS) nos permitem interpretar as relações, padrões e tendências de compreensão dos dados. Então, visualizar e analisar dados geograficamente afeta nossa compreensão do mundo em que vivemos.

Referências:

1. Williams, Robert (1987), Selling a geographic information system to governamental policymakers. Artigos da Conferência Anual de 1987 da Urban and Regional Information Systems Association.

2. Stefan Hahmann e Dirk Burghardt. Quanta informação é geoespacialmente referenciada? Redes e cognição (páginas 1171-1189). Recebido em 27 de junho de 2012, aceito em 21 de outubro de 2012, publicado online: 23 de novembro de 2012.

3. RF Tomlinson. Um Sistema de Informação Geográfica para o Planejamento Regional. Departamento de Silvicultura e Desenvolvimento Rural. Governo do Canadá, publicado em 1969.

TRADUÇÃO: Evenuel Viana Veloza

Padrão
Sem categoria

Mais um incentivo ao uso do QGIS

Professores, pesquisadores e alunos da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade de Maryland (UMD) e Universidade da Flórida (UF), lançaram, nesta quarta-feira (21/10/20), o livro gratuito “Explorando o QGIS 3.X”. A obra foi elaborada para apoiar os alunos em seus estudos remotos e ficará à disposição da comunidade.

Para acesso ao livro em formato “.pdf” basta clicar no link a seguir:
https://lnkd.in/e_u4Yhj

Padrão
Sem categoria

25 plataformas para visualização da terra por meio de imagens satelitais [2020]

Se houver necessidade de se ter uma visão, muitas vezes com razoável atualização, de um determinado local da Terra, existem várias plataformas que podem ajudar e proporcionam este tipo de retorno.

Com elas, você ainda poderá explorar a Terra de novas maneiras que vocÊ talvez nunca pensou ser possível.

MAPAS SATELITAIS TRADICIONAIS

1 – Google Maps

google maps

O Google Maps é a ferramenta ULTIMATE para mapas de satélite. Tem crescido ao longo dos anos. Assim como seus recursos:

  • Como se fossem vistas panorâmicas da rua.
  • Suas perspectivas 3D são incrivelmente insanas.
  • E o favorito de quase todos: encontrar sua casa com seu sistema de endereçamento sólido.

Mas a melhor parte do Google Maps é que ele é atualizado regularmente. Na verdade, é difícil encontrar imagens com mais de 3 anos.

A única desvantagem em que consigo pensar é que você só consegue UM instantâneo a tempo. É aí que entra o Google Earth Pro …

2 – Google Earth Pro

google earth pro

O Google Maps e o Google Earth Pro compartilham as mesmas imagens? A resposta é: eles são completamente DIFERENTES um do outro.

O Google Earth Pro permite que você retroceda em sua linha do tempo histórica. Dessa forma, você pode visualizar mapas de satélite anteriores interativamente para qualquer lugar do mundo.

Há muito tempo, isso costumava ser um recurso pago. Mas agora, é totalmente gratuito. Portanto, se você deseja ver as imagens como cápsulas de tempo, o Google Earth Pro é um vencedor completo.

3 – NASA Worldview

na visão de mundo

Todos nós sabemos a aparência da Terra. Mas como é AGORA MESMO?

O Worldview da NASA visa a entrega de imagens em tempo real. Ou seja, a Terra como está “agora”. Mas tem mais:

Mostra mais de 800 camadas de imagens de satélite. E, normalmente, a maioria tem um atraso de apenas 3 horas.

4 – Mapbox

caixa de mapas

Este está rapidamente se tornando um dos meus mapas de satélite favoritos. É porque o Mapbox remove a desordem e visa a clareza.

Primeiro, vá para o Mapbox . Em seguida, vá para a visualização de satélite. Ao aumentar o zoom, você verá mapas de satélite de alta resolução.

Inclui imagens dos satélites comerciais mais icônicos, como DigitalGlobe.

5 – Imagens do Mundo da Esri

imagens do mundo esri

A Esri reúne imagens de mais de 300 colaboradores em todo o mundo. O resultado?

Uma camada de imagens do mundo que é um dos mapas de base mais poderosos e atualizados da atualidade.

De forma rápida e eficaz, você pode visualizar mapas de satélite de até 3 cm em pixels. Esse é o tamanho de uma pequena pedra!

6 – Esri Wayback Atlas

atlas esri wayback

O Way Back Atlas de Esri é como passar por uma máquina do tempo. Semelhante ao Google Earth Pro, você pode escolher seletivamente mapas de satélite no passado.

Mas este atlas contém uma riqueza secreta de informações. Por exemplo, Nova York tem mais de 100 mapas de satélite que datam de 2014.

A camada World Imagery da Esri (# 5) serve como o melhor disponível de todos os mapas de satélite … Mas o Way Back Atlas da Esri coloca você no assento do motorista para o que está “melhor disponível”.

7 – Bing Maps

mapas de bing

Se eu pudesse dar uma dica para mapas de satélite, seria não ignorar o Bing Maps .

Não me interpretem mal: as visualizações das ruas do Bing são esparsas e não tem visualizações oblíquas como o Google Maps.

Mas o Bing Maps ainda fornece mais de 10 TB de imagens. Embora algumas imagens possam estar desatualizadas há anos, as áreas povoadas ainda têm atualizações frequentes.

8 – Mapas HERE

aqui mapas

Como empresa, a HERE se concentra na navegação, padrões de tráfego e carros autônomos.

Mas, como parte de sua plataforma, ele fornece mapas de satélite para os motoristas. Estou me referindo ao seu mapa AQUI .

Quando você for para AQUI, primeiro notará sua interface totalmente limpa. Conforme você se movimenta, obtém uma variedade de mapas de satélite para explorar.

9 – Planet Explorer

explorador de planetas

O Planet Explorer é como a mina de ouro dos mapas de satélite. Aqui está o porquê:

Ele não mostra apenas mapas de satélite de mais de 120 microssatélites. Mas você recebe atualizações quase diárias com resolução de 2,5 m

Só há um problema: primeiro, você terá que registrar uma conta. É gratuito nos primeiros 15 dias. Mas depois disso, você terá que pagar.

10 – MapQuest

mapquest

Ao visitar o MapQuest , você terá uma sensação automática de nostalgia.

Claro, é um mapa que está tentando vender um hotel para você. Mas nem tudo é ruim: o MapQuest aproveita os serviços da TomTom, dando a você uma variedade de imagens.

O MapQuest já foi popular nos anos 90. Reconheço que ainda não é exatamente um mapa. A menos que esteja em uma “Busca” por um “Mapa” melhor. Apenas esperando aquele dia chegar.

11 – Yahoo! Mapas

mapas do yahoo

Yahoo! Mapas é como o Hall Mary dos mapas de satélite. Na verdade, está extinto desde 2015.

O Yahoo teve uma corrida legítima de 8 anos. No entanto, de alguma forma, eles ainda não desligaram.

Seus mapas de satélite estão atrás de seus concorrentes em vários aspectos. Por exemplo, falta 3D, vistas de rua e atualizações de imagens.

12 – MDA NaturalVue

mda natural view

Para uma visão aproximada da Terra, o MDA NaturalVue tem uma resolução de 15 metros. Só para lhe dar uma perspectiva sobre o que isso significa:

Primeiro, encontre um campo de futebol no mapa. Em seguida, conte o número de pixels. Se você contar 20 ou mais, é tão grosso que você nem será capaz de reconhecer o campo central.

Claro, NaturalVue é antigo. É até um pouco curinga. Mas é um sucesso genuíno se você está procurando imagens de mundo consistentes.

MAPAS ALÉM DO VISÍVEL

13 – Landsat Explorer

explorador de terras

O lançamento do Landsat-1 em 1972 foi um marco para os satélites espaciais. Foi um momento marcante que gerou mais de 40 anos de arquivamento da história do nosso planeta.

Centenas de satélites seguiram o caminho do Landsat para o espaço. Mas não foi apenas em cores.

No Landsat Explorer , você pode ver o mundo de novas maneiras, como infravermelho próximo, um índice espectral ou como nossos olhos o veem.

14 – Sentinel Playground

parque sentinela

Sentinel Playground faz jus ao seu nome. Porque a verdade é: os mapas de satélite não servem apenas para fotos bonitas.

Por exemplo, os 12 índices no Sentinel Playground caracterizam os recursos da Terra de maneira diferente.

É como aquelas pequenas bonecas russas: você vê camadas sobre camadas. Cada um é uma forma comprovada que pode ajudá-lo a chegar ao fundo da distinção.

15 – USGS Earth Explorer

usgs earth explorer hyperion

O USGS Earth Explorer oferece aos usuários mais de 45 plataformas de satélite para navegar. Mas você não precisa baixar dados. Você pode simplesmente visualizar QUALQUER COISA.

Por exemplo, é a única fonte onde você pode visualizar imagens hiperespectrais instantaneamente. Não só isso, mas você pode desbloquear satélites espiões como o CORONA dos anos 1960.

No geral, o USGS Earth Explorer reconecta a forma como você vê os mapas de satélite. Porque ver para crer, faça um teste.

16 – Folheto

folheto

O folheto permite que qualquer pessoa crie mapas da web leves que podem chamar de seus.

Como parte do Folheto , ele tem uma variedade de fornecedores de blocos gratuitos. Por exemplo, Esri, Geoportal France e CartoDB estão todos lá.

Um recurso interessante é que, quando você faz uma panorâmica, ele atualiza interativamente o mapa de cada provedor.

17 – Cesium

césio

Semelhante ao folheto, o Cesium permite que os usuários criem seus próprios webmaps personalizados.

Mas, como o césio é totalmente em 3D, a visualização é extraordinária.

Cesium Viewer é acompanhado por mapas de satélite como Bing, Esri e Mapbox.

MAPS HUMANITÁRIOS

18 – Tomnod / GeoHIVE

monte

Tomnod aproveita o poder do crowdsourcing em tempos de crise. Por exemplo, Tomnod é mais conhecido por sua plataforma de pesquisa para o voo MH370.

Independentemente da campanha, Tomnod pode ser um tesouro para mapas de satélite. Qualquer um que duvide deve olhar para suas campanhas anteriores Tomnod prova que não precisamos de MacGyver no caso. Em vez disso, precisamos do poder do crowdsourcing.

Após 9 anos e quilômetros de imagens de satélite, a DigitalGlobe está mudando a plataforma Tomnod para o GeoHIVE .

19 – DigitalGlobe Open Data

digitalglobe open data

DigitalGlobe tem dois tipos de dados abertos:

Em primeiro lugar, seu Programa de Dados Abertos oferece suporte a grandes eventos de crise global, como terremotos, furacões e incêndios florestais. Dessa forma, quem precisa pode obter o suporte de que precisa. Durante esses eventos humanitários, eles liberam cada foto em domínio público sob a licença Creative Commons 4.0.

Em segundo lugar, a DigitalGlobe tem amostras de produtos disponíveis para todo o mundo. Por exemplo, produtos de imagem de amostra estão disponíveis para o Rio de Janeiro (Brasil), Estocolmo (Suécia) e Washington DC (EUA).

MAPAS CLIMÁTICOS

20 – NOAA Weather Radar

clima noaa

O mapa 3D da NOAA é o primeiro out-of-the-gate. O truque deste aqui é como ele fornece um clima quase em tempo real.

Neste mapa global, você pode ver o clima do espaço, como seria de nossos olhos.

Como alternativa, o infravermelho próximo permite enfrentar o desafio por meio de uma lente diferente.

21 – Visualizador GOES

vai visualizador

GOES conhece o clima. Esses satélites geoestacionários atualizam nosso clima a cada 5 minutos. Mas como você vê isso?

Primeiro, vá para o Visualizador de imagens GOES . Em seguida, selecione sua região de destino.

Isso o levará a mapas de satélite para o clima. Por fim, escolha sua visualização e obtenha um instantâneo atualizado do tempo por satélite.

22 – Últimos 24

tempo 24

Conforme os satélites NOAA circulam silenciosamente a Terra, temos uma prévia do nosso planeta do espaço.

Em vez de uma perspectiva 3D, a NOAA construiu um conjunto de mapas de satélite que visam o clima com uma visão de cima para baixo.

Na verdade, você pode avançar e retroceder interativamente o clima das últimas 24 horas de cada dia.

MAPAS ESPECIALIZADOS

23 – Visão noturna

visão noturna

Como é a Terra à noite? E qual é a extensão do assentamento humano na paisagem?

Ao juntar mais de 400 imagens do espaço, a NASA compilou a visão noturna mais abrangente em seu mapa de mármore preto .

Conforme visto neste mapa de visão noturna, as principais cidades iluminam mais o céu. No geral, isso nos dá um valor aproximado de quanta humanidade habitou a terra.

24 – Mapa Florestal Global

relógio de floresta global

Quando uma árvore cai na floresta, os satélites ouvem o impacto. Quem duvida da gravidade do desmatamento pode conferir no Global Forest Watch .

Primeiro, vá para o Global Forest Watch. Por padrão, as florestas desmatadas estão ativadas. Países como Indonésia, Brasil e Peru se iluminam.

Se você aumentar o zoom, terá mapas de satélite como a constelação de mais de 120 do planeta – o pago (# 9) que mencionei acima.

25 – Sistema de Informação de Incêndio para Gerenciamento de Recursos da NASA (FIRMS)

firmas

Quando os incêndios florestais rugem, os satélites rastreiam onde eles queimam. Especificamente, eles capturam incêndios florestais à medida que acontecem e os transmitem por meio de mapas de incêndio ativos, como FIRMS .

No entanto, de alguma forma, há uma desconexão curiosa entre aqueles que lutam contra incêndios no solo.

Sensores de satélites como MODIS e VIIRS fazem uso de infravermelho térmico. Só então, podemos detectar incêndios tão pequenos quanto um ponto quente … todo o caminho até a erupção vulcânica.

Por: Geografia GIS · (Última atualização: 24 de setembro de 2020)

Imagem em destaque: alexis84/Thinkstock

Padrão
Sem categoria

Mapeamento do ambiente operacional em 3D

Destinado a sistemas de armas modernos e também a combatentes individuais, o mapeamento 3D é tanto uma ferramenta de ação quanto um auxílio para a compreensão do ambiente operacional de primeira linha . As questões relativas à qualidade, precisão e nível de atualização dos dados de mapas 3D vêm regularmente à tona, pois têm um impacto direto na capacidade das forças armadas de planejar e conduzir operações militares em boas condições. condições.

Iconem
Maquete 3D da cidade de Aleppo © Images Iconem

Quer se destinem a visualizar o ambiente operacional em três dimensões, a analisar a praticabilidade dos eixos de comunicação, a detectar mudanças, a identificar potenciais obstáculos ao tráfego, a facilitar a identificação de zonas de aterragem de aeronaves, ou mesmo para definir zonas de observação adequadas para forças terrestres, os dados cartográficos 3D contribuem para a superioridade informacional dos exércitos e hoje são considerados essenciais para o bom andamento das operações.

O campo de batalha não é um espaço fixo, ele está em constante mudança e interagindo continuamente com os atores presentes , os perigos e os vários eventos sucessivos que acontecem lá fora. Alguns desses espaços, como ambientes urbanos, estão particularmente sujeitos a mudanças quando estão no centro do combate (veja abaixo). A atualização de dados é, portanto, uma necessidade constante para garantir um melhor entendimento do ambiente operacional.

ALEP timelapse
Destruição da cidade de Aleppo entre 2010 e 2015 © Images Maxar via Google

No entanto, o desafio é considerável, porque as mudanças às vezes acontecem muito rapidamente, a cadeia geográfica é desafiada a se adaptar constantemente para fornecer forças com dados cartográficos 2D e 3D “novos” . Embora alguns satélites de observação hoje tenham a capacidade de produzir imagens estereoscópicas (como Pléïades e CSO) permitindo o desenvolvimento de produtos 3D, o processo de produção desses dados e sua disseminação ainda é insuficientemente flexível e inadequado para ritmo das operações. Essa simples observação tem facilitado o surgimento de novas abordagens para a produção cartográfica 3D, mais flexíveis e mais fáceis de usar , e principalmente pela mão de unidades implantadas nas operações.

O programa Soldier-Deployab le Geospatial Technologies (SDGT)

Impulsionado por necessidades operacionais cada vez mais urgentes sobre o assunto, o Laboratório de Pesquisa Geoespacial (componente do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Engenheiros, ERDC) do Exército dos EUA decidiu subir uma marcha estudando soluções táticas que podem ser implantado diretamente pelos combatentes para realizar facilmente missões de modelagem 3D de seu ambiente. Esta abordagem se encaixa mais amplamente em uma lógica de desenvolvimento de uma capacidade de mapeamento rápido autônomo com base em drones militares e comerciais, bem como em meios de coleta de terras, como sistemas LiDAR ( mais informação aqui) montado em veículos. 

Esta abordagem é duplamente benéfica, deve, antes de mais nada, permitir às unidades combatentes produzirem rapidamente uma cartografia 3D adaptada às necessidades das forças, em plena autonomia . Em segundo lugar, cada produção contribui para enriquecer a base de dados do teatro de operações centralizando todos os dados cartográficos 3D disponíveis. O conjunto permitindo constituir uma verdadeira abordagem ascendente com uma rede de produtores identificados mais próximos dos problemas do campo e um processo de produção controlado.

Transforme streams de vídeo de drones em modelos 3D quase em tempo real

Outro desafio assumido pelo Laboratório de Pesquisa Geoespacial do Exército é aprimorar os fluxos FMV ( Full Motion Video ) recebidos em tempo real por drones e outros sistemas ISR usados ​​pelos militares dos EUA para produzir dados cartográficos 3D em tempo real, no próximo tempo real , a partir  do teatro de operações. Um recurso abundante hoje nos modernos teatros de operações.

O método fotogramétrico utilizado no âmbito deste projeto permite reconstruir rapidamente um modelo 3D correlacionando séries de imagens ( para saber mais ). Agora amplamente utilizada, esta técnica torna possível usar com eficiência as imagens de fluxos de vídeo FMV, bem como seus metadados para desenvolver diferentes tipos de produtos (ortomosaicos 2D, nuvens de pontos 3D, modelos MNS de superfície digital) úteis para a equipe operacional.

Somente este processo exigia até agora perícia humana para selecionar as imagens mais adequadas , desprovidas por exemplo de alterações visuais ou objetos (veículos, pedestres, etc.) suscetíveis de afetar a qualidade da renderização 3D final, um trabalho preliminar tedioso. mas essencial para obter o melhor resultado possível.

Mapeamento FMV para 3D
Crédito da imagem © Laboratório de Pesquisa Geoespacial

É justamente nesse ponto que intervém a tecnologia desenvolvida pela equipe de pesquisa do Dr. Ricky Massaro do GRL. Um algoritmo seleciona automaticamente as imagens mais adequadas entre os milhares de quadros de vídeo coletados, antes de iniciar a produção de um modelo de superfície digital preciso (MDS) em apenas alguns minutos, mesmo que o drone ainda esteja em vôo . Não exigindo hardware especial, a ferramenta seria capaz de funcionar em qualquer laptop comercial com desempenho adequado.

De acordo com o Exército dos EUA, esse processo pretende ser complementar e não substituir os sistemas Lidar e outros sistemas de mapeamento terrestre usados ​​atualmente por algumas unidades. O sistema já foi testado pela 101ª Divisão Aerotransportada para mapear um campo de treinamento localizado em Fort Campbell. E também foi implantado no Iraque para uma nova campanha de avaliação.

Jogue na complementaridade dos sensores

Cada sensor tem vantagens e desvantagens, por isso o Laboratório de Pesquisa Geoespacial também realiza pesquisas no uso combinado dos diversos sensores usados ​​pelo Exército dos Estados Unidos para aproveitar sua complementaridade para refinar a qualidade dos modelos 3D. produtos.

A varredura a laser terrestre com base na tecnologia LiDAR permite, por exemplo, capturar espaços complexos com muita precisão, como fachadas externas de edifícios ou ambientes internos, enquanto as fotos aéreas nem sempre permitem uma renderização tão precisa de fachadas. A unificação das nuvens de pontos desses dois produtos em um mesmo repositório possibilita a criação de um modelo 3D muito mais preciso.

Na França o 3D também desperta interesse renovado

Esta busca de autonomia tática também desperta o interesse de algumas unidades francesas, que estão fazendo o possível para preencher suas lacunas em termos de dados 3D para atender às suas necessidades. Se os vídeos FMV ainda são pouco valorizados até à data, vários experimentos têm sido realizados nos últimos anos dentro das forças especiais (em particular no CPA10 e no comando Kieffer), bem como dentro do 28º grupo geográfico para produzir ou adquirir modelos rapidamente. Sistemas digitais de superfície precisos no teatro.

Nesse sentido, essas iniciativas deram origem a várias abordagens, algumas unidades adquiriram drones comerciais, como os drones Ebee, enquanto outras unidades buscaram reduzir o ciclo de produção do MNS, visando estabelecer um processo de produção e distribuição adaptado, em relação direta com as organizações de apoio geográfico das Forças Armadas.

Uma plataforma dedicada à produção 3D

Lançado em 10 de dezembro de 2019, o projeto AI4GEO exibe as ambições francesas em termos de produção de mapeamento 3D e visa desenvolver uma solução de produção de dados 3D totalmente automatizada, contando em particular com inteligência artificial para otimizar o processo e os custos de produção.

O consórcio reúne 9 organizações e empresas francesas, incluindo em particular o Grupo CS (que coordena o projeto), IGN, CNES, Onera, Qwant, Airbus DS, CLS, Quantcube e Geosat) com a ambição de criar uma plataforma dedicada à área de Informações geoespaciais 3D. Embora alguns dos participantes do grupo já tenham capacidade para produzir modelos 3D, o custo e o tempo de processamento necessários para desenvolver esses produtos 3D (imagens de satélite, aéreas) costumam ser demorados. Essa simples observação justifica o uso combinado de novas tecnologias, como IA e a implementação de infraestruturas de computação em nuvem para otimizar o tempo de processamento de dados e, por fim, automatizar toda a cadeia de produção.

3d paris
Mapeamento 3D da cidade de Paris. Crédito da imagem © Google

Este projeto visa acima de tudo estimular a pesquisa, bem como o ecossistema industrial francês no campo do 3D para desenvolver os tijolos tecnológicos necessários para o desenvolvimento de produtos cartográficos 3D qualificados inicialmente, depois em um segundo para desenvolver serviços de valor agregado em diferentes setores ( Smart City , agricultura, gestão da água, automóveis autônomos, etc.).

Explore um recurso cada vez mais abundante

A plataforma deve ser capaz de processar facilmente as muitas imagens que são geradas hoje pelos vários sensores ópticos e radares existentes (drones, satélites, Lidar, etc.), cujo número continua a crescer dia a dia, e que são para alguns exclusivamente destinados à produção 3D.

O projeto AI4GEO também parece fazer parte da continuidade do 3D Optical Constellation (CO3D), uma constelação de satélites de observação encomendados pelo CNES e DGA da Airbus DS alguns meses antes, em maio de 2019. Composto de quatro satélites em uma órbita sincronizada com o sol, esta constelação fornecerá imagens estereoscópicas submétricas (50cm) dedicadas à produção cartográfica 3D em todo o mundo.

Erbil
Modelagem 3D da cidade de Erbil. Crédito da imagem: Plain Archaeological Survey

Enquanto os dados fornecidos pela constelação CO3D serão essencialmente imagens ópticas, a plataforma do projeto AI4GEO pretende ser acima de tudo generalista e deve ser capaz de tirar partido de imagens de outros sistemas, como imagens de radar ou levantamentos Lidar (terrestres e / ou no ar). Uma abordagem que deve ser comparada com o surgimento do Novo Espaço e a explosão do número de constelações de satélites de observação, que não deixa de sublinhar as muitas oportunidades que se encontram, e que também não vai falhar. mais para exércitos de interesse em todo o mundo.

Autor: Jean-philippe Morisseau

Imagem de destaque: Marina Stancampiano Moreira | 3D artist and Graphic designer | everis Brasil

Tradução: Evenuel Viana Veloza

Bibliografia

Padrão