GEOINTELIGÊNCIA, PLATAFORMAS ORBITAIS

15 FONTES OFICIAIS DE DADOS DE IMAGENS DE SATÉLITES GRATUITAS

O segredo que não quer calar, é que existem dezenas de fontes confiáveis ​​com imagens de satélite de alta qualidade. Mas espere, tem mais…você não só pode baixar as melhores e mais recentes imagens de satélite, mas é tudo GRATUITO.

Tudo que você precisa saber é onde encontrá-los. Leia o conteúdo abaixo para ver uma lista bem interessante de fontes gratuitas de imagens de satélite.

1. USGS Earth Explorer

Descubra o poder do Landsat e muito mais. Não importa onde você more, o USGS Earth Explorer tem uma abundância de imagens de satélite para oferecer:

  • LANDSAT: Imagine ser capaz de olhar para mais de 40 anos atrás em qualquer lugar. A qualquer momento, você pode ver o quanto tudo mudou. Quanto isso valeria? Este é o legado das imagens do satélite Landsat. Sua história de quase 40 anos é incomparável com qualquer outra imagem de satélite. Baixe a história do nosso planeta através do Landsat no USGS Earth Explorer.
  • ELEVAÇÃO: se você precisa de elevação, ASTER e SRTM são modelos de elevação digital mundialmente conhecidos. Por meio do USGS Explorer, encontre sua peça em qualquer lugar do planeta.
  • HIPERSPECTRAL: Explore as imagens hiperespectrais do Hyperion. É somente por meio dessa plataforma que você pode ter uma oportunidade tão rara.

USGS Earth Explorer é uma fonte de classe mundial para imagens de satélite gratuitas. Não importa onde você more, você PRECISA olhar para o USGS Earth Explorer. Aqui está um guia sobre como baixar imagens gratuitas do Landsat do USGS Earth Explorer para ajudá-lo a começar.

2. Sentinel Open Access Hub

Sentinel-2 é o início de uma nova e emocionante era em imagens abertas de satélite. Não é apenas porque a cobertura abrange todo o globo. Mas também porque o Sentinel-2 é a imagem de satélite gratuita mais nítida disponível para download hoje.

O Sentinels Open Access Hub é a sede oficial para baixar imagens do Sentinel. É um pouco estranho se acostumar, então verifique nosso guia para saber como baixar imagens do Sentinel-2 .

  • SENTINEL-2: Dois satélites formam o Sentinel-2. Devido à sua popularidade, haverá mais 2 satélites nos próximos anos. O Sentinel-2 tem resolução de 10 metros em vermelho, verde, azul e infravermelho próximo. Suas 12 bandas espectrais variam de bandas costeiras a SWIR. Já se passaram 5 anos desde o seu lançamento. Mas a demanda disparou, tornando-se uma das imagens de satélite gratuitas mais populares disponíveis.
  • SENTINEL-1: Se você precisa de imagens de radar de abertura sintética (SAR), Sentinel-1 é banda C. O potencial para SAR é infinito. Mas você não consegue uma imagem bonita como o Sentinel-2.

Depois de baixar as imagens do Sentinel, como você as usa? Baixe o software livre Sentinel-2 Toolbox do ESA . Todas as caixas de ferramentas fornecem a estrutura para abraçar um rico conjunto de ferramentas de análise, visualização e processamento.

3. NASA Earthdata Search

Há muito o que gostar sobre o Earthdata Search da NASA . Especialmente, depois de seu novo facelift. Ele tem um novo visual e design para descobrir dados das Ciências da Terra. Em primeiro lugar, as opções de dados de satélite são incríveis.

  • DADOS DERIVADOS: A maioria dos Dados da Terra da NASA é um produto de análise para o estudo das Ciências da Terra. Por exemplo, é qualquer coisa da biosfera, criosfera, hidrosfera ou atmosfera. A maioria dos produtos vem de um centro de dados e aplicativos (DAAC).
  • COBERTURA DA TERRA: NASA Earthdata também é uma excelente fonte de uso e cobertura global da terra. Mas não são apenas as classes típicas de cobertura do solo. Possui dados especializados derivados de satélite, como permafrost e tipos de zonas úmidas.

Nossa sugestão é começar com uma pesquisa simples. Em seguida, altere os critérios de intervalo de tempo para restringir sua pesquisa. Finalmente, baixe suas imagens de satélite gratuitas. Você vai pegar o jeito depois de algumas tentativas. Este tutorial de uso da pesquisa EarthData da NASA ajudará.

4. Visualizador de acesso a dados NOAA

A NOAA substituiu seu sistema de pedido de fotografia aérea pelo NOAA Data Access Viewer . Agora, é onde você descobre conjuntos de dados confiáveis ​​ao longo das costas. Mas não é apenas para imagens de satélite. Você pode baixar:

  • IMAGENS AÉREAS / SATÉLITES: O NOAA Data Access Viewer contém imagens de satélite, aéreas e LiDAR. Primeiro, entre na sua área de interesse. Depois de fazer isso, todos os conjuntos de dados disponíveis aparecerão no painel do lado direito. A partir daqui, tudo que você precisa fazer é fazer o download.

NOAA Data Access Viewer está fora do modo beta agora. Mas as velocidades de download ainda são lentas e lentas. No geral, esta é uma ótima opção para áreas costeiras como Califórnia, Flórida e Nova York.

5. Programa de Dados Abertos DigitalGlobe

Se você deseja as imagens de satélite mais nítidas do mundo, experimente aproveitar o poder do DigitalGlobe. Na verdade, é tão nítido que quase dá para ver as placas dos carros.

De forma alguma, você pode baixar toda a biblioteca DigitalGlobe de imagens de 30 cm gratuitamente. Em vez disso, você pode baixar imagens de satélite gratuitas da DigitalGlobe de duas maneiras:

  • OPEN DATA PROGRAM: Para qualquer desastre natural, o Open Data Program da DigitalGlobe fornece imagens de satélite para alívio. Por exemplo, incêndios, inundações, furacões, tufões e terremotos fazem parte desta lista. Eles liberam dados para o domínio público sob uma licença Creative Commons 4.0. Dê uma olhada em qualquer desastre natural recente e aposto que está lá.
  • DADOS DE AMOSTRA: Se você deseja simplesmente experimentar, tente fazer o download de suas imagens de amostra . Por exemplo, possui pegadas de construção, elevação, estéreo e imagens em cores reais.

Estes são exemplos de imagens de satélite de alta resolução. Se você não conseguiu encontrar o que estava procurando aqui, a próxima opção é sua segunda melhor escolha.

6. Defesa Geo-Airbus

Assim como o DigitalGlobe, o Geo-Airbus Defense é um fornecedor comercial. De satélites como SPOT, Pleiades, RapidEye, estes são alguns dos melhores da classe. Geo-Airbus Defense também possui uma coleção de imagens de amostra. Mas, infelizmente, sua seleção gratuita de imagens de satélite é bastante limitada.

  • AMOSTRA DE IMAGENS: Geo Airbus Defense Systems oferece mais de 140 imagens de amostra para experimentação. Para imagens ópticas, fica mais fino quanto 1,5 metros com o SPOT. As imagens de radar do TerraSAR-X têm até 3 metros de nitidez. Finalmente, você pode obter uma amostra do incomparável WorldDEM de 12 metros. Isso é muito mais refinado e preciso do que os DEMs globais ASTER e SRTM.

7. NASA Worldview

NASA Worldview não é muito bom para baixar dados brutos. Por exemplo, você não pode nem mesmo baixar o famoso Blue Marble aqui. Mas você pode fazer isso no NASA NEO . Ele serve para fornecer acesso a uma variedade de produtos científicos.

  • PRODUTOS CIENTÍFICOS: O objetivo da NASA Worldview é apresentar produtos científicos em todas as disciplinas. Por exemplo, há uma seção para perigos e desastres. Além disso, você pode filetar produtos derivados de satélite por disciplina científica.

Se você deseja baixar imagens de satélite gratuitas, você deve adicionar a camada ao mapa. Em seguida, você deve escolher a data no controle deslizante de madeira abaixo. Por fim, clique na guia de dados na legenda e clique no botão “Baixar dados”.

8. NOAA CLASS

Camada intermediária    Dados Mundiais    Administração Oceânica e Atmosférica Nacional    Registro requerido

Da terra aos nossos céus e oceanos, é hora de zarpar com a NOAA CLASS. A biblioteca de imagens de satélite da NOAA é o Comprehensive Large Array-data Stewardship System (CLASS) .

Para acessá-lo, você deve se registrar para uma conta. Então, você pode fazer o login e começar a baixar imagens de satélite. NOAA CLASS é um pouco bagunçado. Mas você pode categorizar NOAA CLASS em 3 seções:

  • IMAGENS OCEÂNICAS: NOAA gerencia e protege as linhas costeiras com CoastWatch. CoastWatch é uma coleção de medidas como vento, temperatura e cor. Tudo vem de satélites como POES, JASON e GOES.
  • IMAGENS ATMOSFÉRICAS: Quando se trata de nosso clima, GOES conhece o clima. Na verdade, o GOES-R é a frota mais avançada de satélites meteorológicos até hoje. Portanto, essas cenas de imagens de satélite capturam tudo, de furacões a tornados.
  • MEIO AMBIENTE E CLIMA: Esses produtos abrangem tudo, desde ozônio até aerossol.

Mesmo que NOAA CLASS não seja tão intuitivo quanto o resto, você ainda consegue mergulhar fundo em nossos oceanos e atmosfera. E isso é muito bom.

9. National Institute for Space Research (INPE)

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) é o braço brasileiro de pesquisas espaciais. Eles desenvolveram o Catálogo de Imagens do INPE que é uma espécie de biblioteca para baixar gratuitamente imagens de satélite. Grande parte deste catálogo são imagens de satélite do CBERS.

  • CBERS: A parceria entre Brasil e China tem uma missão conjunta própria. O conjunto de dados chave neste catálogo são Recursos Terrestres China – Brasil (CBERS 2). De acordo com o INPE, serão incluídos também CBERS 4, ResourceSat e UK-DMC 2.

A única ressalva é que os dados são específicos para a América do Sul e África . Se você estiver de acordo, pode traduzir o site do português para o inglês. Depois de fazer isso, você terá que criar uma conta. Porque a cada solicitação que você faz, o INPE envia os dados do download para o seu e-mail.

Em seguida, selecione seu satélite e sensor. Em seguida, escolha um país da América do Sul e da África. Por fim, adicione-o ao seu carrinho e clique em “Vá em frente”. A partir daqui, você pode baixar gratuitamente suas imagens de satélite do site FTP do INPE.

10. Geo-plataforma indiana de Bhuvan da ISRO

A Índia fez grandes avanços na tecnologia de sensoriamento remoto por satélite. Na verdade, o lançamento do satélite Indiano de Sensoriamento Remoto (IRS 1A) remonta a 1998. Desde então, os dados estão disponíveis na Geo-plataforma indiana de Bhuvan .

A plataforma é bem construída. Mas a maioria dos dados é apenas para a Índia. Isso inclui IMS-1 (Hyperspectral), Cartosat, OceanSat e ResourceSat. Todos são satélites indianos. Os seguintes produtos também estão disponíveis para download fora da Índia:

  • NDVI : Cobertura Global do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada.
  • CARTODEM : Este modelo de elevação de 30 metros usa imagens estéreo de imagens Cartosat-1 sobrepostas.

11. Global ALOS 3D World da JAXA

ALOS World 3d é um modelo de superfície digital (DSM) com resolução espacial de 30 metros. A JAXA o construiu e recentemente o lançou ao público. O interessante é que são os dados de elevação em escala global mais precisos no momento.

Ele usa o Satélite Avançado de Observação Terrestre “DAICHI” (ALOS), que é um tipo de radar de banda-L. Se você deseja fazer o download do ALOS 3D, vá para o portal JAXA Global ALOS . Em seguida, você terá que se registrar para uma conta. Após a aprovação, você pode baixá-lo através do portal de download.

12. VITO Vision

O site VITO Vision oferece PROBA-V, SPOT-Vegetation e METOP como imagens de satélite gratuitas. Esses satélites de resolução grosseira esculpem padrões de vegetação na superfície da Terra.

Leva algum tempo e esforço para criar uma conta para o VITO Vision. A interface é intuitiva e oferece dados de satélite de baixa resolução gratuitos ao seu alcance. Esse tipo de dado é bom para aplicativos de grande escala que não precisam de detalhes mais finos.

13. NOAA Digital Coast

Quando você está explorando os dados da Costa Digital da NOAA, tudo gira em torno da bela costa . Os dados costeiros são tudo o que você obterá nesta plataforma de imagens.

Para baixar os dados, selecione sua área de interesse. Defina seu conjunto de dados para download. E peneire os resultados. Você tem dados bênticos, de elevação, imagens, cobertura do solo e dados socioeconômicos. Você obtém uma variedade de imagens de satélite gratuitas para escolher, como radar, infravermelho e composições de cores reais.

14. Cobertura do Solo por Satélite

Nunca tivemos uma perspectiva tão boa de nosso planeta em mudança por causa das imagens de satélite. Alguns dos maiores desafios que enfrentamos hoje são mais bem compreendidos por meio da cobertura do solo por satélite. Isso ocorre porque o sensoriamento remoto cobre muito mais terreno.

  • COBERTURA DA TERRA: Listamos as melhores fontes de dados globais de cobertura da terra do Landsat, MODIS e AVHRR. A cobertura global da terra quantifica as mudanças na cobertura da terra em todo o mundo. Isso inclui vegetação, áreas geológicas, agrícolas, hidrológicas e urbanas.

15. UNAVCO

Vamos encerrar as coisas com UNAVCO. University NAVSTAR Consortium (UNAVCO) é uma organização de universidades. Se você não sabe quem é UNAVCO, aqui está UNAVCO explicado em 3 minutos .

Seu principal objetivo é apoiar a pesquisa científica utilizando a tecnologia de geodésia. Porque nosso mundo está totalmente conectado, UNAVCO fornece acesso aos dados de geodésia. Por exemplo, pense em inundações, placas tectônicas e terremotos.

  • RADAR DE ABERTURA SINTÉTICA: Sua plataforma é a Interface do Usuário de Pesquisa de Arquivo SAR da UNAVCO . Este site está inundado com radar de abertura sintética de fontes de satélites. Mas primeiro, você precisará de um nome de usuário e senha. Então, você pode finalmente colocar as mãos nos dados.

Por fim

Os dados de satélite abriram novos canais sobre como vemos o planeta. Em vez de passar dias procurando um bom mapa de base, você pode acessar esta lista de dados de imagens de satélite gratuitos. Você aprendeu alguns dos principais data centers para coletar imagens de satélite gratuitas de todo o mundo.

Fonte: GIS Geography ·(Última atualização: 7 de agosto de 2020)

Padrão
GEOINTELIGÊNCIA, PLATAFORMAS ORBITAIS

Kestrel Eye: Um microssatélite de observação tática para os militares dos EUA

Uma unidade militar está prestes a intervir em território hostil, antes de lançar sua ação, o comandante encarregado da operação solicita uma imagem atualizada da área para identificar a evolução do sistema inimigo nos últimos anos ou nas últimas horas. Poucos minutos depois de seu pedido, este recebe a imagem da área e a retransmite diretamente aos combatentes no campo de batalha para que possam levar em conta as novas ameaças e adaptar seu dispositivo de forma eficaz.

Este cenário em breve deixará de ser ficção científica se acreditarmos nos responsáveis ​​pelo programa Kestrel Eye. Graças ao lançamento  de uma verdadeira constelação de microssatélites de observação tática, em breve será possível aperfeiçoar o apoio das forças armadas, oferecendo a capacidade de obter imagens de qualquer parte do mundo em curto prazo, a pedido dos usuários. Esse tipo de capacidade reativa parece ser o caminho escolhido pelo Exército dos EUA para dotar as Forças Armadas de uma capacidade de vigilância global persistente e, em última instância, adquirir um melhor conhecimento da situação.

Mas, além do conceito, muitas questões surgem sobre os objetivos do projeto e os argumentos técnicos apresentados pelos gerentes do programa ainda estão lutando para convencer. O lançamento do primeiro modelo de demonstração, em outubro de 2018, deveria validar as tecnologias e o conceito em condições reais, mas o feedback está demorando a retornar. O programa Kestrel Eye é ambicioso demais? Quais são as reais motivações do exército americano por meio deste programa?

Recursos do satélite Kestrel Eye

Demonstrador projetado pela  Maryland Aerospace Inc  (MAI) por um custo unitário anunciado de US $ 1,3 milhão, o bloco Kestrel Eye 2M é um cubo pouco menor que um pequeno frigobar (38 cm x 38 cm x 96 cm) com um massa de cerca de 50 kg. Ele carrega um telescópio de 10 polegadas fabricado pela empresa Harris e incorpora uma câmera que garante o uso confiável em uma ampla gama de temperaturas e um amplo espectro de ondas. Essa co-configuração permite que o Kestrel Eye produza imagens com resolução de 1,5 m a uma altitude de 500 km.

Colocado em órbita da estação espacial em outubro de 2018, o objetivo do satélite era validar essas tecnologias e testar o conceito durante exercícios realizados em conjunto com as forças terrestres. As empresas do setor de pequenos satélites observaram a experiência com grande interesse, pois ela parece ser um indicador da direção estratégica que as forças armadas dos Estados Unidos podem tomar com esse tipo de tecnologia nos próximos anos.

O conceito do Kestrel Eye

O satélite Kestrel Eye foi especialmente projetado para simplificar o processo de coleta de imagens táticas. Foi apresentado pelo Exército dos Estados Unidos como um satélite de reconhecimento capaz de reduzir consideravelmente o tempo de ciclo entre a solicitação da imagem e seu retorno aos combatentes. Há alguns anos, o Exército dos EUA vem experimentando sistemas flexíveis capazes de  fornecer às forças armadas imagens de satélite em tempo real com o programa Pathfinder Eye, cujo objetivo principal é permitir que as forças armadas adquiram um melhor conhecimento da situação.

O conceito operacional do Kestrel Eye é ser acessível, principalmente, permitindo aos usuários “simplesmente” solicitar imagens na área de sua escolha quando eles expressarem a necessidade. Cada solicitação é então transmitida para um centro de comando local e então priorizada e combinada com outras solicitações de imagem de outras unidades presentes no mesmo teatro de operações, antes de ser transferida para a constelação de satélites Kestrel Eye.

Uma vez recebidos os pedidos de imagens pelo satélite, este realiza as manobras necessárias para captar o maior número de imagens possível. Durante a mesma comunicação, a imagem capturada é rapidamente transmitida para o solo, então comunicada via redes táticas para o combatente solicitante em poucos minutos. Todo o processo deve poder ser executado durante a mesma passagem do satélite para proporcionar real valor agregado operacional.

“Portanto, esta é a capacidade de detectar, rastrear e manter a custódia de qualquer coisa, digamos, maior do que um caminhão e ser capaz de realmente fornecer uma solução de controle de tiro de mira para uma arma no campo em tempo real em qualquer lugar do globo”  ”” Derek Tournear Diretor em exercício da Agência de Desenvolvimento Espacial

Em última análise, a ambição do Exército dos Estados Unidos é colocar uma verdadeira constelação de satélites Kestrel Eye em órbita baixa (LEO), capazes de processar imagens para transmitir aos combatentes apenas informações úteis, nomeadamente os alvos identificados por satélite.

Um conceito que ainda busca convencer

Se o sistema parece ser perfeito papel, o conceito de emprego levanta muitas questões quanto às reais capacidades do sistema e sua viabilidade ainda a serem comprovados. Ostentando uma necessidade orientada principalmente para operações e alvos em “tempo quase real” com meios de detecção automatizados, o Exército dos EUA parece esquecer que a resolução de seu microssatélite (1,5 m) limita sua capacidade de detecção no plano tático. O risco de perder uma ameaça não é desprezível, porque com tal configuração, mesmo um olho treinado não está imune a perder um veículo camuflado no campo (veja abaixo).

Nesse caso, é difícil destacar a capacidade do satélite de definir alvos para os combatentes em campo quando a resolução da imagem não permite uma avaliação efetiva do conteúdo de uma ameaça. A título de comparação, a resolução do satélite Kestrel Eye é a mesma oferecida pelo SPOT6 e 7 satélites do Airbus DS, um satélite acima de tudo apontado por sua capacidade de produzir imagens de campo amplo (60km no nadir contra 5km para o Kestrel Eye). Esses produtos são mais adequados para a produção de inteligência estratégica do que tática, mas também mais amplamente voltados para a produção cartográfica. Uma abordagem pouco crível, portanto, para identificar ameaças potenciais no terreno ou definir alvos, como afirmam os gerentes de projeto.

A abordagem é tanto mais incoerente quanto no contexto dos últimos conflitos assimétricos em que se envolveram, as Forças Armadas americanas confiaram fortemente em meios ISR eficientes (principalmente drones e aviões), considerados mais ágeis, e especialmente capazes de rastrear e identificar veículos armados e/ ou indivíduos dia e noite para apoiar as operações em tempo real.

Crie uma bolha de detecção em tempo real

Se o interesse pelas imagens produzidas pelo satélite Kestrel Eye parece bastante questionável, dadas as ambições do programa, a verdadeira inovação estaria antes na forma como as imagens seriam produzidas e transmitidas aos combatentes. Além da vantagem oferecida por uma constelação de pequenos satélites de observação em termos de frequência de revisita, o sistema promete extrema agilidade ao fornecer imagens aos solicitantes em menos de dez minutos! Uma pequena revolução em si mesma, quando conhecemos os atrasos nos processos de aquisição e processamento de imagens por satélites de observação tradicionais.

Mas, por meio desse programa, o Exército dos Estados Unidos visa, acima de tudo, adquirir a capacidade de processar essas imagens a bordo de satélites para detectar automaticamente alvos – como satélites dedicados à defesa antimísseis – e redistribuí-los via links de dados táticos usados ​​por combatentes e sistemas de armas.  O objetivo do programa seria, portanto, estabelecer uma solução para identificar ameaças e alvejar em “tempo quase real” (em outras palavras, uma espécie de rastreamento da Força Inimiga) para identificar e lidar com ameaças terrestres, localizado além da linha de visão dos combatentes.

Dois cenários possíveis

  1. Autonomia em questão

Pode-se imaginar que o Exército dos Estados Unidos dificilmente se conforma com o apoio que recebe nas operações. É verdade que os elementos de ligação da  National Geospatial-Intelligence Agency (NGA) destacados para as forças armadas dos Estados Unidos são frequentemente apontados por sua falta de capacidade de resposta e a inadequação de seus produtos para apoiar efetivamente a vertente operacional, mas apenas essa necessidade não justifica tal investimento.

Parece claro que o Exército dos Estados Unidos está buscando se emancipar de seus pares, construindo uma cadeia de produção de imagens que seria inteiramente dedicada a ele, permitindo-lhe assim, maiores capacidades de detecção global, a fim  de fornecer suporte informacional direto para suas unidades envolvidas em operações em todo o mundo. Este programa poderia, portanto, ser motivado por uma busca genuína de autonomia, o que não seria uma surpresa, porque esta  abordagem não é fundamentalmente nova. De fato, o Exército dos EUA já demonstrou seu pragmatismo nessa área com o lançamento do programa Buckeye em 2004, para atender às suas próprias necessidades de dados geoespaciais não classificados de alta resolução em teatros de operações iraquianos e afegãos.

2. Antecipar as necessidades dos conflitos de amanhã

É provável que o Exército dos EUA procure antecipar uma perda potencial de seus recursos aéreos ISR (Inteligência, Vigilância e Reconhecimento ) no caso de um conflito de alta intensidade (enfrentando uma nação como a Rússia ou a China). Até então, o uso massivo de drones só era possibilitado pelo ambiente permissivo dos chamados conflitos de “baixa intensidade”, onde a ameaça solo/ ar era geralmente baixa ou quase inexistente, um modelo que provavelmente será ser desafiado em confrontos com nações tecnologicamente maduras.

Daí a necessidade de o Exército dos Estados Unidos adquirir um sistema, composto por múltiplos vetores, capaz de proporcionar vantagens semelhantes em termos de persistência de observação e flexibilidade de uso, ao mesmo tempo que possibilita o imageamento de áreas potenciais com acesso proibido. O pequeno tamanho do satélite também o torna menos vulnerável a armas anti-satélite, por ser mais difícil de detectar. Esta abordagem torna possível garantir a resiliência de suas capacidades SRI. 

Uma abordagem cuja utilidade ainda não foi comprovada

A ambição deste programa parece mais impulsionada pelas fantasias de Hollywood do que por uma abordagem racional; o projeto está, na realidade, pouco em sintonia com as necessidades táticas das forças armadas hoje. Pois além de sua resolução medíocre, o satélite não parece oferecer uma imagem infravermelha ou capacidade de aquisição de vídeo e o Exército dos Estados Unidos não adianta nenhuma garantia na qualidade das imagens produzidas.

No entanto, não está excluído que as imagens irão melhorar com as próximas gerações de satélites Kestrel Eye. Por exemplo, os satélites Skysat usados ​​pela empresa Planet já oferecem imagens submétricas (0,9 m) para uma relação tamanho / peso e um design que é relativamente comparável (o peso do Skysat permanece maior) ao do satélite Kestrel Eye. Não foi divulgado nenhum número oficial sobre a quantidade de satélites previstos a longo prazo , o que alimenta especulações quanto à proposta de revisita e, portanto, à viabilidade do projeto.

Se o conceito sugere uma aparência de compromisso entre a reatividade oferecida pelos drones e os satélites de observação tradicionais, o satélite herdará os mesmos inconvenientes que estes últimos, nomeadamente os constrangimentos relacionados com a atribuição de tarefas, a priorização de pedidos, o tempo de vida do satélite, o tempo no processamento das imagens, etc … Além disso, é muito improvável que tal sistema pudesse realmente permitir uma produção relevante em um ritmo próximo ao “tempo real” como o dizem os responsáveis ​​pelo projeto.

Apenas os sistemas WAMI (Wide Area Motion Imagery ) on-board, hoje, parecem se aproximar desse conceito, com resultados muito mais convincentes no suporte  e com uma resolução muito melhor, variando de 0,5m a 1m e sendo capazes de cobrir área entre 1km² e 10km² dependendo do sistema. Quando se considera que o Exército dos Estados Unidos já opera esse tipo de sistema (em particular o Constant Hawk que equipa alguns aviões RC-12), isso tende a dar mais credibilidade ao segundo cenário e reforçar a escolha da resiliência.

Autor: Jean-Philippe Morisseau

Tradução: Evenuel Viana Veloza

  1. https://www.c4isrnet.com/newsletters/geoint/2019/10/25/how-the-army-will-use-satellites-to-track-land-threats-in-real-time/?utm_medium=social&utm_source = twitter.com & utm_campaign = Socialflow + DFN
  2. https://directory.eoportal.org/web/eoportal/satellite-missions/k/kestrel-eye
  3. https://spacenews.com/armys-imaging-satellite-up-and-running-but-its-future-is-tbd/
  4. https://geointblog.wordpress.com/2017/04/17/lere-de-la-surveillance-persistante-sur-de-grandes-etendus/
Padrão
PLATAFORMAS ORBITAIS

Nova parceria Brasil x China para desenvolver o satélite CBERS-4A

      De acordo com o INPE, o Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 492/16, que contém o protocolo complementar para o desenvolvimento do satélite sino-brasileiro CBERS-4A, foi aprovado na segunda-feira (22/8) pelo Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília. A matéria já está aprovada também pelo Senado Federal

   O CBERS-4A é o sexto satélite feito em parceria com a China. No Brasil, o desenvolvimento do programa CBERS cabe ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

       Segundo o Ministério das Relações Exteriores (MRE), o programa CBERS (Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres, na sigla em inglês) proporciona benefícios mútuos em termos de capacitação e acesso a tecnologias de ponta, transferíveis aos setores industriais dos dois países, com participação meio a meio.

      Especialistas do INPE e da Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST) trabalham em conjunto no CBERS-4A. Concluídas as fases de montagem e integração, os testes do satélite serão feitos na sede do INPE, em São José dos Campos (SP). A previsão é que o processo seja iniciado em 2017. O equipamento deve ser lançado ao espaço em setembro de 2018.

      A construção de mais dois satélites (CBERS-5 e 6) está em discussão no âmbito do Plano Decenal de Cooperação Espacial Brasil-China 2013-2022.

Monitoramento

  As imagens geradas pelos satélites CBERS são utilizadas em programas de monitoramento do desmatamento na Amazônia, bem como em aplicações voltadas para a vegetação, a agricultura, o meio ambiente, o gerenciamento hídrico, a cartografia, a geologia, o gerenciamento de desastres naturais e a educação sobre temas ambientais.

    No âmbito multilateral, Brasil e China lançaram, em 2007, a iniciativa “CBERS for África”, por meio da qual são distribuídas imagens de satélite, sem custo, a países do continente africano, contribuição reconhecida internacionalmente como modelo de cooperação.

(Agência Gestão CT&I, com informações da Câmara dos Deputados)

Referência:

  • MundoGeo – Por Ariane Barbosa | 15h31, 29 de Agosto de 2016
Padrão
PLATAFORMAS ORBITAIS, Sem categoria

EROS-B NOS JOGOS OLÍMPICOS DO RIO

      O satélite israelense EROS-B opera, normalmente a uma altitude de 520 km de distância da terra e possui resolução espacial de 70 cm (consegue identificar objetos de 70 cm de tamanho), entretanto, para atuar nas olimíadas e poder gerar produtos mais eficientes, será empregado em uma órbita mais baixa, de 450 quilômetros de distância da Terra e, com isso, será capaz de identificar objetos de até 50 centímetros de tamanho.

     Lançado ao espaço em 2006, já está plenamente operacional numa órbita acima do Brasil desde a última semana. O acordo assinado com Israel estabelece que o Eros B ficará a disposição do Brasil ao longo de um período de seis meses. Uma vez finalizados os Jogos Olímpicos, ele será empregado na vigilância de fronteiras.

      O cônsul geral de Israel em São Paulo, Yoel Barnea, assegurou que o país está tomando as medidas necessárias para proteger suas delegações no estrangeiro, incluindo os atletas que participarão dos próximos Jogos. De acordo com Barnea, essas medidas serão tomadas em plena cooperação com as forças de segurança brasileiras.

     Nesta atividade o satélite será totalmente controlado por militares brasileiros e suas imagens compartilhadas com todas as agências governamentais de segurança conforme declarações do comandante do Nucope-P (principal centro de operações especiais), coronel da Força Aérea Brasileira (FAB), Hélcio Vieira Junior.

       O Eros B tem capacidade de coletar imagens de altíssima resolução como no exemplo a seguir:AImagem-2-ErosB-JogosOlímpicos2016 Imagem do Rio de Janeiro em maio de 2007. (Imagem: Divulgação)

    Por fim, as características operacionais do Eros B podem ser de muita utilidade para implementação final do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (SISFRON) do Exército Brasileiro, que será integrado por radares fixos e móveis, bem como câmeras e outros sensores instalados ao longo das fronteiras do País, mas isto só será verdadeiro, se o controle de aquisição de imagens realmente for feito por militares das forças armadas brasileiras.

Referências:

  • -http://tecnodefesa.com.br/satelite-eros-b-sera-empregado-nos-jogos-olimpicos-rio-2016/
  • -https://apollomapping.com/imagery/high-resolution-imagery/eros-b
Padrão
PLATAFORMAS ORBITAIS, Sem categoria

SATÉLITES NACIONAIS

LANÇAMENTO-DE-NANOSSATÉLITE-BRASILEIRO-OBTEVE-SUCESSO

 Nanossatélites

      O primeiro nanossatélite brasileiro NanosatC-Br1, foi lançado em 19 Junho de 2014, e passou a manter contato com as bases de monitoramento já no dia seguinte. Desenvolvido com recursos da Agência Espacial Brasileira (AEB) e lançado na base de Yasny – Rússia, o cubesat envia a sua localização por código Morse.

      As informações enviadas são recebidas pelas Estações Terrenas de Rastreio e Controle de Nanossatélite do Programa NanosatC-BR da Universidade Federal de Santa Maria e a do Ita/Inpe. O objetivo do cubesat é monitorar a intensidade e mapear o campo magnético sobre a América do Sul, explica Jean Batana, coordenador de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Diretoria de Satélites e Aplicação da AEB.

      “Os nanossatélites são importantes para o desenvolvimento da tecnologia espacial brasileira, além de motivar estudantes. É uma forma de congregar entre eles o trabalho na área espacial” fomenta José Raimundo Coelho, presidente da AEB.

       O NanosatC-Br1 foi desenvolvido pelo Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais (CRS/INPE), é também o primeiro cubesat universitário brasileiro a ser lançado.

0,,16602255_401,00

Satélites de Coletas de Dados (SCD)

     O primeiro satélite brasileiro lançado foi o SCD-1. Para conhecer a diversidade ambiental do nosso território, o Brasil projetou e construiu dois Satélites de Coleta de Dados (SCDs). Lançados em 1993 (SCD-1) e em 1998 (SCD-2), eles permitem, juntamente com as plataformas terrestres de coletas de dados, conhecer o nível e a qualidade da água nos rios e represas, a quantidade de chuva, a pressão atmosférica, a intensidade da radiação solar, a temperatura do ar e outros parâmetros.

      Os SCDs captam os sinais das plataformas e os retransmitem para uma estação de recepção e processamento de dados localizada em Cuiabá (MT). De lá, os dados coletados são enviados para a cidade de Cachoeira Paulista (SP) e ficam à disposição, via Internet, de mais de 80 empresas e instituições usuárias do sistema.

1satelite-cbers-4

Satélites Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres (CBERS)

      O Programa Cbers nasceu de uma parceria inédita entre Brasil e China, no setor técnico-científico espacial, assinada em 1988. O objetivo era produzir uma série de satélites de sensoriamento remoto para mapear os dois imensos territórios.

      O Programa contemplou, num primeiro momento, apenas dois satélites: Cbers-1 e 2. Com o sucesso dos primeiros satélites, os dois governos decidiram expandir o acordo e incluir outros três satélites da mesma categoria, denominados Cbers-2B e os Cbers-3 e 4.

      A família de satélites de sensoriamento remoto Cbers trouxe significativos avanços em aplicações espaciais no Brasil. Atualmente, mais de 15.000 usuários estão cadastrados, representando cerca de 1.500 instituições. Já foram distribuídas, gratuitamente, um número superior a 500.000 imagens do Cbers.

      Suas imagens são usadas em importantes campos, como o controle do desmatamento e queimadas na Amazônia Legal, o monitoramento de recursos hídricos, áreas agrícolas, crescimento urbano, ocupação do solo e em educação, entre outras.

      Seu uso também é fundamental para grandes projetos nacionais estratégicos, como o ”Prodes”, de avaliação do desflorestamento na Amazônia, o ”Deter”, de avaliação do desflorestamento em tempo real, e o monitoramento das áreas canavieiras (Canasat).

       O Cbers-3 teve problemas após o lançamento e o Cbers-4 teve seu lançamento adiantado para manter o andamento da missão. Como os Satélites C-bers 1, 2 e 2B já não estão operativos, atualmente, apenas o Cbers-4 encontra-se em atividade.

00Equipamentos Desenvolvidos pela MECTRON para PMM - 1

Plataforma Multimissão ou ”PMM” (em desenvolvimento)

      A Plataforma Multimissão (PMM) que está sendo desenvolvida pela indústria nacional e tem o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) como interveniente técnico é um conceito moderno em relação à arquitetura de satélites. O propósito é reunir em uma plataforma todos os equipamentos que desempenham funções necessárias à sobrevivência de um satélite, independentemente do tipo de órbita e objetivo da missão. A ideia de separar os componentes dos satélites em uma plataforma que provê serviços básicos e atende a vários tipos de missões ? sendo adaptável a diversas aplicações ? é encontrada nos casos da PMM nacional e no projeto francês Proteus criado pela Comissão Nacional de Estudos Espaciais (CNES).

Os principais subsistemas da PMM são:

  • Estrutura Mecânica
  • Suprimento de Energia
  • Controle de Atitude e Tratamento de Dados
  • Gestão de Bordo
  • Controle Térmico
  • Telemetria, Telecomando e Rastreio
  • Propulsão.

01tp-2014-desbloquear-off

Satélite Amazônia- 1 (em desenvolvimento)

      O Amazônia-1 tem como missão prover dados para o monitoramento ambiental, principalmente dar continuidade e aperfeiçoar o sistema de detecção em tempo real (DETER) do desflorestamento no Brasil. Será o primeiro satélite a utilizar a plataforma multimissão (PMM). O Amazônia-1 consolidará no País a capacidade própria para projetar, desenvolver e fabricar satélites artificiais de observação da Terra, voltados às aplicações de interesse nacional em áreas como recursos minerais, florestais e hídricos, agricultura, meio ambiente, vigilância territorial e monitoramento de desastres ambientais.

      O satélite será composto por um módulo de carga útil com imageador AWFI (Advanced Wide Field Imager), com resolução de 40 m e por um módulo de serviço utilizando a PMM, de desenvolvimento quase que totalmente nacional e com forte participação da indústria.

     A missão objetiva em termos tecnológicos capacitar e tornar o país independente, no futuro, em todo o ciclo de desenvolvimento de satélites desta classe e seus subsistemas. Contratos com indústrias nacionais para o desenvolvimento de subsistemas e equipamentos do satélite estão atualmente em andamento para este propósito.  Instrumento da Missão do Satélite EQUARS

Satélite Cientifíco Lattes (em desenvolvimento)

      Inicialmente o satélite científico Lattes transportaria três missões distintas. A missão Equars consistiria em estudar fenômenos da atmosfera. A missão Mirax tinha como objetivos a observação e o monitoramento de uma região central no núcleo da nossa galáxia, na faixa de raios X. A terceria missão seria uma missão secundária de coleta de dados para o Sistema Brasileiro de Coleta de Dados.

      Entretanto, são instrumentos e ciências completamente diferentes. Elucubraram-se configurações que nunca saíram do papel, que nunca avançaram. Isso, na minha opinião, foi um erro estratégico. Quando a nova direção assumiu – ele é oriundo da Engenharia, e como Coordenador da ETE foi quem deu um passo importante que levou ao desenvolvimento dos satélites CBERS 2B, 3 e 4–, percebeu de imediato que o natural seria retomar a configuração de duas missões separadas. Mais que isso, teve a visão estratégica de que o Instituto deveria se engajar no desenvolvimento de uma plataforma de menor porte para satélites científicos e tecnológicos.

       O MIRAX continuaria como um estudo conceitual, tanto é que agora a parte científica e de desenvolvimento da instrumentação do MIRAX entrou no caminho correto. Serão feitos dois voos com balão estratosférico para testar o conceito da câmara imageadora. Se atender satisfatoriamente os requisitos do que deve ter um instrumento para o monitoramento de fontes de Raios X e Gama, aí se passa para a fase seguinte, que é o desenvolvimento do satélite no conceito do experimento que terá voado em balão com sucesso. Está previsto um lançamento para 2017 e um segundo em 2018, para balão estratosférico.

      E o EQUARS voltou a configuração inicial, só que, como fruto desse histórico, perdemos todos os colaboradores internacionais. Acabamos agora a configuração de cinco instrumentos de cinco grupos diferentes, quatro da CEA e um do CTE. Na minha opinião, isso foi uma perda enorme, mas agora a missão EQUARS entra numa fase de fechamento, de ser realmente um satélite científico, da classe de 100 a 150 quilos, desenvolvido pelo Instituto e que pode ser lançado nos próximos anos. O Plano Diretor anterior teve diversos pontos positivos, mas outros muito negativos. Por outro lado, mesmo nessas histórias tristes, temos que tirar um aprendizado que é ver com muito cuidado o que é factível e o que não é factível de ser feito. Isso foi o que tentamos corrigir na proposta de Plano Diretor 2016-2019 dentro da perspectiva de contribuição da CEA.

      A missão como um todo objetiva capacitar a industria nacional em termos tecnológicos para o desenvolvimento de satélites desta classe e seus subsistemas.

HIHI

 Satélite GPM (em desenvolvimento)

      A missão do GPM-Br foi concebida para prover informações e produtos para os estudos definidos pelo PNAE, fornecendo a partir do espaço informações cíclicas, com relação a dados para a agricultura, energia elétrica, defesa civil, pesca e florestas (fornecer dados para o monitoramento das chuvas).

      Este satélite é a contribuição brasileira para a constelação de satélites que objetiva ampliar os conhecimentos acerca das precipitações no Planeta, melhorando a qualidade dos produtos desenvolvidos pelas equipes de aplicações.

1Projeto Conceitual da Plataforma SARA com Motor Deboost Híbrido

Satélite Sara (em desenvolvimento)

      O projeto tem por objetivo o desenvolvimento de uma plataforma espacial para experimentos em ambiente de microgravidade, denominada Satélite de Reentrada Atmosférica (SARA), destinada a operar em órbita baixa, circular, a 300 km de altitude, por um período máximo de 10 dias. O projeto SARA se encontra em uma fase em que os seus subsistemas serão verificados em um vôo suborbital.

       Esta fase de desenvolvimento de subsistemas, denominada Sara Suborbital, deverá testar em voo o subsistema de recuperação, o subsistema de redes elétricas e o módulo de experimentação. O Sara Suborbital consiste em um veículo de 350 kg, a ser lançado através de um veículo de sondagem VS-40 modificado, a partir do Centro de Lançamento de Alcântara (MA), com a finalidade de realizar experimentos de microgravidade de curta duração (cerca de 8 min).

maxresdefault1

Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (em desenvolvimento)

      Em Cannes, cidade ao sul da França, o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) passou, em de abril de 2016, por testes para simular as condições encontradas no espaço. Com 5,8 toneladas e cinco metros de altura, o satélite será levado para um suporte que o faz vibrar, simulando as condições de lançamento.

      Já em junho e julho está prevista a campanha de testes de comunicações. Dentro de um câmara anecóica, que não reflete as ondas de rádio, serão avaliadas a qualidade do sistema e das antenas responsáveis por transmitir e receber os sinais. O primeiro teste do satélite, iniciado em março, foi o térmico: o equipamento foi colocado em uma câmara de vácuo e submetido a temperaturas entre -100 °C a 125 °C.

      Os testes fazem parte da fase final de preparação para o lançamento, previsto para o segundo semestre de 2016. O SGDC ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra, cobrindo o território brasileiro e o oceano Atlântico. Veja, na página 49, o infográfico que representa a cobertura do SGDC.

      De lá, o satélite vai se comunicar com uma antena de 18 metros de altura, 13 metros de diâmetro e 42 toneladas, localizada em Brasília (DF). Uma segunda antena, em um centro de controle secundário, ficará no Rio de Janeiro (RJ).

      No espaço, por meio da banda Ka, o SGDC terá capacidade para tramitar 54 gigabits por segundo, sendo considerado pelo Governo Federal como prioritário para expandir o acesso à banda larga em regiões remotas do país. Ao mesmo tempo, por meio da banda X, o satélite será utilizado para transmissões militares.

      O projeto, uma parceria entre os ministérios da Defesa, das Comunicações e da Ciência, Tecnologia e Inovação, é um investimento da ordem de R$ 1,7 bilhão. A expectativa é entrar em serviço no início de 2017, após um período de ajustes, e permanecer ativo durante quinze anos.

      A participação dos brasileiros em todas as etapas, construção, montagem e testes, permite a cada um conhecer melhor os procedimentos e também as dificuldades práticas encontradas em cada área de atuação (térmica, mecânica e comunicações). Outros parâmetros devem ser levados em consideração e contornados para que os resultados previstos durante o projeto do satélite, possam ser validados e confirmados durante os ensaios.

      São cerca de 30 profissionais brasileiros, oriundos da Agência Espacial Brasileira, Telebras, Visiona, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Ministério da Defesa, que acompanham o processo, cada um dedicado a uma área específica. A presença de profissionais brasileiros, militares e civis, faz parte do processo de absorção de tecnologia. O conhecimento detalhado vai permitir que eles identifiquem e resolvam possíveis falhas de funcionamento que possam vir a surgir durante os 15 anos de vida útil do satélite. A expertise também será útil às organizações em projetos futuros de novos satélites.

      A visão geral sobre o funcionamento, desenvolvimento e fabricação do SGDC é considerada pelas organizações brasileiras como um passo importante para que o Centro de Operações Espaciais (COPE) possa, futuramente, especificar e contratar novos satélites, tanto em relação à infraestrutura de solo como a parte espacial.

      O projeto do Sistema SGDC originalmente prevê um total de três satélites para uso civil e militar. Desde a sua origem, o projeto já sofreu inúmeras mudanças de escopo, prazo e orçamento. Uma mudança recente, em função até do atraso para a escolha do fabricante para o SGDC-1, foi a data prevista para lançamento (agora está oficializado para meados do ano de 2016) e a previsão do cronograma para o SGDC-2. Originalmente, estava previsto que o segundo satélite seria contratado em 2016. Agora, a expectativa do governo é que ele comece a ser contratado somente em 2019 para entrar em operação até o ano de 2022. O terceiro satélite só viria depois disso, caso não se decide por fazer dois de uma vez.

    Outra mudança nos planos iniciais ocorreu no orçamento. O primeiro satélite deveria custar R$ 700 milhões, mas com a variação cambial, o custo está estimado entre R$ 1 bilhão e R$ 1,1 bilhão. Com a preocupação crescente do governo com a soberania de suas informações, a tendência é que não haja dificuldades para fazer esse ajuste orçamentário, mas é algo que ainda precisará ser discutido com o governo.

   Referências:

  1. http://www.aeb.gov.br/saiba-mais/
  2. http://www.inpe.br/acessoainformacao/node/405
  3. http://www.aereo.jor.br/2016/05/28/satelite-de-defesa-e-comunicacoes-estrategicas-em-fase-de-testes/
Padrão